Mais de Mim ...

sábado, 30 de abril de 2011

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Mentes Conectadas



Encontros, esbarrões, apertos, acenos... Temos tempo?
Temos tempo além do tempo que encontramos para o que nãO deveríamos ter ?
Mas também sei me cansar das perguntas, e corro logo para as minhas pequenas tentativas de acertar... Talvez o lado certo do peito...
Talvez a mão correta da estrada...
Esta que me leva onde anseio tanto em chegar para alcançar aquilo que me faz respirar, pulsar, querer...
Quero muito, tudo.
De tudo.
De tudo um pouco.
Até do nada quero um pouco, pra entender o que é o tudo...
Contudo.
=======

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Minha terra tem Palmeiras, Yasmins e Esperança ...


Estava eu descendo a ladeira perto de casa para trabalhar pleno feriado de Tiradentes, ainda com aquele soninho de quem sabe que foi um dos poucos a acordar para a labuta, quando olhei para o horizonte, lembrei-me de Paulo Coelho em “O Alquimista”, quando este diz que ao olharmos o horizonte nos deparamos com paisagens que, normalmente não veríamos, já que a maior parte do tempo estamos preocupados em olhar para nós mesmos. O fato é que, ao olhar para o horizonte, eu me deparei com um dos prédios daquela região e, dentro dos muros, subindo alto eu vi uma palmeira, tendo atrás de si o céu sendo tocado pelos primeiros raios do sol que nascia naquele momento. Lembrei-me dos versos de Gonçalves Dias e os recitei baixinho: “Minha terra tem palmeiras onde canta o sabiá...” Confesso que fiquei assim emocionado sem saber por que, sem entender direito o motivo das lágrimas ensaiarem apresentar-se nos meus olhos e ri, ri de emoção por saber que eu sei sentir alegria, tristeza, melancolia, saudade... Sei sentir o compasso da vida, sei ouvir o som da poesia e admirar pequenos momentos de beleza que podem fazer a diferença no caminho a ser seguido.
Naquele momento nasceu em mim a vontade de estar aqui digitando este texto, sem saber exatamente o que seria escrito até o fim, mas tendo a certeza de que algo deveria ser registrado. São de momentos assim que, talvez, sejam feitas as maiores descobertas do ser humano... Momentos de contato consigo próprio, com o mundo, com a descoberta que fazemos parte de tudo e tudo o que existe tem uma relação com a nossa existência.  São tantas as cores da natureza, tantos prismas modificando-se a cada segundo para que um espetáculo sem fim continue apresentando-se diante de nós, tantas demonstrações de amor de um ser superior, ao qual eu chamo de Deus... Certa vez estava eu na praia, sentado numa pedra, olhando o nascer do sol. Ele vinha por trás do mar, fazendo a água apresentar tons prateados misturando-se com azul. As ondas estavam brancas como as poucas nuvens que estampavam o céu. Era tudo tão lindo e ofuscava tanto o meu olhar, mas eu não queria perder um segundo daquele momento mágico... Um querido amigo meu, que morava por ali me disse as seguintes palavras: “Lindo, não é? Eu acordo cedo todos os dias para vir assistir ele chegando e ele nunca faz igual... A cada manhã eu vejo um nascer de sol mais lindo que o outro!” Não esqueço estas palavras e confesso que agora mesmo ao me recordar daquela cena, meus olhos lacrimejam.
Ouvimos tanto falar de desgraças e atrocidades que acabamos por nos tornar consumistas de sangue e dor. Parece até que no mundo não existem mais coisas boas para serem contempladas. A mídia em geral descobriu que notícia boa não gera lucros, então lutam para ver quem será o primeiro a trazer a próxima lastimável notícia ao conhecimento do grande público, que infelizmente recebe uma descarga de tristezas e imoralidades e acaba por se acostumar com tal cenário, esquecendo-se de que coisas lindas ainda existem no nosso mundo e que, existem muito mais pessoas boas do que más ... Anteontem eu estava visitando uma amiga, quando a irmã dela chegou com sua pequena Yasmim, de apenas 28 dias, tão pequenininha, linda ... A pequenina dormia e a mãe me disse: "Quer segurar ela?" A tomei em meus braços e fiquei ali, babando como todos nós fazemos com os bebês ... Ela sonhava com alguma coisa que a fazia sorrir e eu a observava rindo todo bobo ... De repende ela abriu os olhos, verdes-oliva, e ficou me olhando com a inocência que só as crianças têm. Eu fiquei ali pensando em como existem tantas coisas lindas ainda para o ser humano se apegar ... As palmeiras, o céu, o canto dos pássaros, o nascer do sol, o olhar inocente das crianças ...
Minha terra tem palmeiras, minha terra tem crianças, minha terra tem bondade, minha terra tem esperança ...
=======

domingo, 17 de abril de 2011

Mini-Conto

Mais um dia

Pés apressados pelas ruas que o sol ainda não tocou ... Lutando contra os ponteiros do relógio, subindo escadas, descendo do trem, passando pelo porteiro, vestindo o uniforme ... o trabalhador.

=======


sábado, 9 de abril de 2011

Dica de filme: "UM AMOR PARA RECORDAR"


Quem já assistiu o filme "Um amor para recordar" sabe que o primeiro conselho a dar para quem vai assistí-lo pela primeira vez é que não vá para a frente da TV sem pelo menos um quilo de lenços de papel, pois o filme faz mais do que tocar fundo no coração, ele busca cada lágrima escondida no mais profundo da alma, trazendo-as à tona e jorrando-as pelos olhos ... Aliás, olhos que dizem ser a janela da alma !
No filme o rebelde Landon Carter apaixona-se pela doce Jamie Sullivan e, para que os nossos lenços de papel sejam usados, a pobre moça declara estar com leucemia e que, de acordo com os médicos, seu quadro é irreversível. Um dos ingredientes mais interessante do filme é o fato de abordar a questão da FÉ ... Jamie é filha do Reverendo e seu maior sonho é testemunhar um milagre ... Atenção especial também para o relacionamento entre Landon e seu pai, separado de sua mãe ...
Para quem ainda não assistiu, aqui fica a dica de alguém que já assistiu somente nove vezes ... E, um segredinho: chorei todas elas !!!

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Falando Pelos Cotovelos ...



Estava eu aqui pensando sobre o que eu poderia escrever, visto qua são tantos os fatos relevantes da atualidade que poderiam tornar-se dignos de uma dissertativa de minha parte e tanta coisa nova tem acontecido comigo que acabei por descobrir não estar inspirado para escrever acerca de apenas um fato ...

Entre os meus dias como auxiliar de farmácia, em meio à Voltarens, Furosemidas, Capotens, Sondas de demora, Metronidazóis e papéis, papéis e mais papéis que insistem em jorrar da impressora, muitas vezes direto para o saco de lixo; e minhas noites como estudante da vida. Bem, em meio a meus dias tumultuados sendo espremido nos trens, ouvindo aquele monte de besteiras proferidas por pessoas sem um pingo de educação, para enfim chegar atrasado no trabalho por que não consegui acordar de tão cansado que estava e ouvir da minha chefe (que eu amo, de verdade, sem falsa modéstia nenhuma) que eu estou mais uma vez atrasado ... Eu me deparo com um monte de lixo social estampado nas manchetes de jornais, repetidos vezes após vezes pela mídia em geral ... Adolescentes que matam garotas por que estas não quiseram transar com eles ... Garotos da classe média alta que talvez pelo fato de não terem algo mais divertido a fazer, divertem-se espancando homossexuais na Avenida Paulista ... Políticos que ocupam cargos públicos através da democracia tentando velar com seus comentários desastrosos a mesma democracia que os elegeu ... Eu vejo crianças e velhos sendo desrespeitados ... Vejo fome pelo fato do país "não ter renda suficiente" para acabar com esse problema, enquanto vejo a alta sociedade pedindo a carta de vinhos para escolher o La Romanée-Conti (vinho preferido do ex-presidente Lula, cuja garrafa da safra de 2004 vale nada menos que R$ 10.800,00) ... Quantas crianças com fome poderiam ser alimentadas por apenas uma dessas garrafas?

Eu vejo pessoas sentadas em mesas de bar depois de um dia exaustivo no escritório bebendo a cerveja que desce redonda ou a melhor do carnaval, enquanto meninos da periferia que um dia decidiram sair de casa por algum motivo daqueles que já conhecemos de cor e salteado precisarem de cola para não sentir fome naquela noite que será para eles tão longa em meio ao frio e à solidão ...

Ah, a solidão ... Quantos não reclamam desta que é uma das maiores inimigas da alma? Não a maior, pois em meio a tantas coisas existem também os juros do cartão de crédito, o desemprego, as injustiças, o preconceito, os terremotos, as lágrimas pelos mortos, os falsos amigos, etc etc etc ...

E ainda perguntam se o ser humano é forte ... Até onde o ser humano aguenta ...
Temos aguentado tantas coisas ao longo da história da humanidade, e ainda não perdemos a nossa capacidade de sorrir ... De acreditar que tudo pode melhorar ... Acreditamos tanto que decidimos lutar contra todos os obstáculos, erguer nossas cabeças e seguir em frente, afinal, o contrário disso seria deitar-se em um lugar qualquer e aguardar a morte chegar com sua foice tenebrosa e por fim ceifar-nos a vida ...

Em homenagem à força existente nos seres humanos, eu gostaria de propor um brinde ... No meu caso, não com La Romanée-Conti ... No muito uma rodada ali no bar da esquina, até que eu ganhe na Mega Sena, quem sabe ...

=======